Mamoplastia
0 Comentários

Como escolher a prótese de silicone

As mamas femininas são o símbolo da feminilidade e beleza única da mulher. Não existe uma mama igual a outra e isso permite uma identidade preciosa da mulher. Quando se deseja realizar o aumento das mamas, surgem algumas dúvidas comuns: “que tamanho devo escolher?” e “qual o formato e material do implante?”.

Na verdade, a escolha do implante de silicone que vai ser usado é bastante complexa e leva em consideração outros fatores e não apenas o formato do implante. Para a cirurgia de aumento mamário estético, existem implantes de, basicamente, três formas: cônica, redonda e anatômica (“gota”).

Não existe uma regra geral de quando cada forma de implante é usada, pois isso depende do aspecto da mama da paciente e de sua expectativa quanto aos resultados. Existem dezenas de combinações de cada tipo de formato de implante associados ao seu diâmetro, projeção, tipo de cobertura e material usado. Por exemplo, uma mulher com baixa estatura e leve sobrepeso pode desejar aumentar as mamas e deve ter cuidado na escolha do implante, pois uma decisão errada pode dar a impressão de ficar exagerado ou com a aparência de estar bem acima do peso. Por outro lado, um implante muito pequeno pode não dar o resultado desejado. Por isso, é fundamental que a paciente converse abertamente com seu cirurgião plástico da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e relate sua expectativa frente a cirurgia de implante de mama.

Com sua experiência, o médico vai examinar o tipo de pele, se existe uma cobertura suficiente para esconder o implante (caso negativo, ele pode optar por colocar o implante atrás do músculo peitoral), além de analisar o corpo como um todo. Nessa análise geral, ele vai pontuar sobre as condições de peso, medidas do tórax e quadril, projeção das mamas e nádegas, entre outras coisas. Toda a análise é feita para que o novo implante se adeque não somente nas mamas, mas no equilíbrio corporal como um todo. Este cuidado é que gera a naturalidade do resultado esperado.

Dentre as dezenas de tipos de implantes mamários, observa-se a variação no volume em relação ao seu diâmetro e projeção. Com isso, o médico vai poder optar por um diâmetro mais largo em mulheres que tem o tórax grande ou escolher um implante com projeção maior nos casos em que se deseja maior projeção da mama. O perfil do implante é aferido pela sua altura a partir de sua base e pode ser: baixo, moderado, alto e extra-alto. Essa medida é diretamente responsável pela projeção da futura mama para frente.

Dessa maneira, entendemos que o exame clínico feito pelo cirurgião plástico é fundamental, pois a particularização na escolha do tamanho, tipo, formato, projeção e diâmetro só pode ser feita em conjunto com a paciente. Ou seja, não faz sentido a paciente já trazer ao médico seu desejo de colocar um determinado tamanho de implante porque sua amiga ou celebridade optou por esse volume específico. Cada pessoa tem seu biótipo, que deve ser respeitado.

Por fim, devemos lembrar que a escolha da marca do implante deve ser feita com cautela, pois existem muitas empresas mas nem todas seguem padrões rigorosos de qualidade. É prudente sempre investir em uma boa marca e seu cirurgião plástico poderá informar sobre as possibilidades. Como dica, vale a pena perguntar se o implante escolhido é aprovado pelo FDA americano que é extremamente rigoroso na aprovação de implantes de silicone. Não economize com sua saúde, invista em seu sonho priorizando também a segurança na escolha de um bom médico, implante de qualidade e hospital com suporte adequado.

Fonte: Minha Vida

beijos, Fran
05/06 2020
Plásticas
0 Comentários

As plásticas de Rafa Kalimann

Rafa Kalimann fez lipo, bichectomia, plástica nas orelhas, botou silicone e botox: antes e depois

Num papo sobre beleza entre as sisters que estão ainda confinadas no “BBB 20”, cada uma falou sobre os procedimentos que fez antes da fama. Uma das que mais passou pelo bisturi é Rafa Kalimann. A mineira, que acaba de completar 27 anos, se submeteu a pelo menos três cirurgias plásticas e alguns retoques no rosto.

Com 1,72m de altura, a influenciadora já foi bem magrinha. Há seis anos, no entanto, começou uma mudança para, segundo ela, ficar mais harmoniosa. Rafa contou às novas amigas que recorreu à lipoaspiração para desenhar a cinturinha e perder a barriga, além de colocar silicone nos seios.

Rafa Kalimann fez lipo, bichectomia, plástica nas orelhas, botou silicone e botox: antes e depois

“Quando fiz, ficou lindo. Me lembro até hoje da minha barriga lisinha”, relatou ela, ao ser questionada por Gizelly, que também deu uma repaginada em seu corpo.

Rafa contou ainda que operou as orelhas, que eram de abano, e que fez uma bichectomia: “Não senti muita diferença”, disse. A missionária ainda enumerou os procedimentos que fez antes de entrar no reality.

“Fiz botox em novembro e já caiu um pouco. Também fiz preenchimento labial. Faço sempre”, entregou ela, para espanto de Manu Gavassi, que achou que a boca da amiga era original: “Eu tenho lábio carnudo, mas fica maior assim. No dia em que faço, fica imenso, muito inchado. Mas não escondo, não”.

Fonte: Extra/Globo

beijos, Fran
18/04 2020
Plásticas
0 Comentários

Tipos de lipoaspiração: Quais diferenças e vantagens de cada técnica?

Esta é uma das principais dúvidas dos pacientes, quando pensam em fazer uma
lipoaspiração: lipo tradicional, mini-lipo, lipo HD, lipo light, hidrolipo, vibrolipo,
lipo laser, lipo ultrassonica, etc… Qual a melhor? Qual diferença? O que muda?
Bem, vamos tentar entender melhor e elucidar estas dúvidas?
Primeiramente, todo cirurgia que se aspira gordura por uma cânula é
lipoaspiração. E como toda lipoaspiração deve ser feita por um cirurgião plástico.
A indicação da lipoaspiração é retirar o excesso de gordura localizada e não para
emagrecer. Logo, se o pacientes estiver acima do IMC de 30 (limite tido como
obesidade), deve emagrecer antes.
Vamos então aos tipos de lipo:
Lipoaspiração tradicional: é feita por uma cânula com furos na ponta, em que
apenas o movimento de vai-e-volta da mão do cirurgião é responsável pela
retirada da gordura. Não há auxílio de aparelhos, exceto o aspirador. As cânulas
podem ter furos diversos e espessura diferentes (mais finas ou grossas). Quanto
mais grossa a cânula, maior a retirada de gordura, maior o trauma, sangramento
e risco de irregularidades e fibrose.

Cânulas com diferentes espessuras e tipos de furos
Lipoescultura: é uma lipoaspiração em que parte da gordura retirada é usada
para enxerto em outra área (exemplo: glúteos, face, grandes lábios vaginais).
Parte da gordura é absorvida, mas a parte que permanece fica para sempre e é
muito bem tolerada pelo organismo, sendo raras as complicações.
Mini-lipo, lipo light, hidrolipo: são nomes não técnicos, mas apenas de marketing,
para se referir à lipoaspiração de pequeno porte, feita com anestesia local,
muitas vezes realizadas em ambiente não hospitalar. As cânulas e a técnica são
da lipoaspiração tradicional, apenas sendo realizada com anestesia local. Ou seja,
tecnicamente são lipo tradicional. Vale a pena lembrar que as cirurgias
realizadas em ambiente hospitalar são mais seguras.
Vibrolipo: é realizada com o auxílio de um aparelho que faz a cânula vibrar,
facilitando a penetração na gordura e sua retirada. Por penetrar na gordura sem
ter que fazer força, a vibrolipo proporciona ao cirurgião movimentos mais leves
e precisos, com menor trauma e menor sangramento. Por não ter que fazer força,

o cirurgião se cansa menos e consegue manter um grau de precisão por mais
tempo. As cânulas também pode variar em espessura, numero e tipos de furos na
ponta.

Vibrolipoaspirador
Lipo a laser: é realizada por uma cânula que emite o laser na ponta. O laser
esquenta e derrete a gordura, facilitando a sua retirada, reduzindo o
sangramento. Ao gerar calor, o laser esquenta a pele, fazendo que tenha maior
retração, minimizando a geração de flacidez depois da lipo. O laser também é útil
da quebra de fibrose existente de uma lipoaspiração prévia. A gordura, porém,
apesar de liquefeita, permanece abaixo da pele. Precisa ser retirada por lipo
tradicional ou vibrolipo (na mesma cirurgia, depois de usar o laser). O laser
destrói as células de gordura, fazendo ser necessário retirar gordura para
enxerto antes de usá-lo. Veja os vídeos sobre lipo a laser:

Cânula de lipoaspiração a laser
Lipo ultrassônica (Vaser): é muito semelhante à lipo a laser, mas a cânula emite
uma onda ultrassônica. O ultrassom também derrete a gordura, liquefazendo-a e
facilitando a sua retirada. Também precisa de uma cânula tradicional ou
vibrolipo para a retirada da gordura liquefeita. Assim como a lipo a laser,
também leva à maior retração da pele e pode ser útil na quebra de fibrose de
uma lipoaspiração prévia. Veja o vídeo sobre a lipo ultrassônica:

Cânula de lipoaspiração ultrassônica
Lipo HD: é uma lipoaspiração em que o cirurgião tenta modelar a área
lipoaspirada para dar um formato semelhante à de uma musculatura definida.
Para isso, retira mais gordura de algumas áreas e menos de outras. O uso da
cânula a laser ou do ultrassônica é comum, para gerar maior retração e aderência
da pele em algumas regiões. Vale a ressalva de que a região que tiver mais
gordura, aumentará mais de volume caso a paciente engorde, o que poderá no
futuro levar à irregularidades e assimetrias.

Dr. André Colaneri, especialista e membro titular da sociedade brasileira de cirurgia plástica @dr.andrecolaneri

Fonte: Cirurgia Estética

beijos, Fran
13/04 2020
Topo