Mamoplastia
0 Comentários

É possível corrigir a assimetria das mamas com a cirurgia plástica?

Ao contrário do que se possa imaginar, as mamas nem sempre são idênticas, aliás, um grande número de mulheres sofre com essa diferença entre um seio e outro. Muitas vezes ela só é notada pela própria mulher, mas em outras, a diferenciação é notada até enquanto a paciente está utilizando roupas comuns do dia a dia, pelo excesso ou falta de volume ou pela ptose. Além disso, as aréolas também podem ser diferentes.

Após a puberdade, com o desenvolvimento completo das mamas, é possível diagnosticar uma assimetria das mamas. A indicação pela cirurgia plástica ocorre quando a distinção é extremamente notável. O problema pode surgir ou se acentuar após a amamentação, caso o bebê sugue apenas uma das mamas. A assimetria também pode ser provocada pelo câncer de mama e, por isso, apenas um médico especialista pode avaliar o caso.

De acordo com a necessidade de cada paciente, o especialista avaliará se é necessário um implante em uma mama menor, redução da mama maior, reposicionamento de mamas, aréolas, entre outros. O procedimento é feito com anestesia local com sedação ou geral. O tempo de cirurgia geralmente não ultrapassa 1h30.

Fonte: Master Health

beijos, Fran
14/04 2018
Mamoplastia
0 Comentários

Você sabia que o ideal é perder peso antes de realizar cirurgia plástica para redução de mamas?

 
 
 
 
Quanto mais próximo de seu peso ideal maior são as chances de alcançar os resultados esperados. Converse com seu cirurgião plástico e informe-se antes de tomar qualquer decisão!
#DicaPréOperatório #CirurgiaPlástica
 
Fonte: SBCP
beijos, Fran
11/04 2018
Mamoplastia
0 Comentários

10 conselhos para quem pretende colocar silicone nos seios

 

Não se deixe influenciar pelo tamanho do implante das celebridades ou de suas amigas; só o médico pode dizer qual a melhor opção para seu tipo físico

Com a chegada do outono, acontece um aumento natural na busca pela sonhada e tão planejada cirurgia plástica – segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica o índice chega a subir cerca de 50% durante o período das férias escolares. Mas, depois da polêmica envolvendo as próteses da fabricante francesa PIP, que não eram adaptadas para uso médico e furavam com facilidade, nada melhor do que se salvaguardar com quem é expert no assunto ou já turbinou os seios, técnica que está entre as mais procuradas pelas brasileiras. Aqui, listamos as dez dicas que realmente fazem a diferença.

1. Escolha um especialista habilitado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). “Isso foi fundamental para o sucesso da minha plástica. Afinal, o médico que tem esse título estudou vários anos e é expert em operar, e isso aumenta as chances do resultado ficar impecável”, diz a dançarina Carol Nakamura, assistente de palco do Domingão do Faustão. Em tempo: para se certificar, faça a busca no site da SBCP (www.cirurgiaplastica.org.br) usando o nome do cirurgião escolhido.
2. Fale com quem já foi operada pelo médico. “Essas (opinões de uma ex-paciente) são ótimas referências do trabalho e até do comportamento do especialista antes, durante e depois do procedimento. E se a pessoa for sua amiga, melhor ainda”, acredita Carol Nakamura.
3. Certifique-se de que o hospital é bem equipado. Ele deve ter unidade de terapia intensiva, sala de recuperação anestésica e centros de esterilização e de cuidados gerais. “Assim, a paciente fica mais protegida caso ocorra alguma complicação durante o procedimento”, esclarece o cirurgião plástico Helio de Caprio, diretor da Clínica das Palmeiras, no Rio de Janeiro.

4. Siga à risca as orientações do pré-operatório. “Apesar do exame específico na plástica de mama ser a mamografia, que define se existem lesões que podem impedir a cirurgia, também é preciso fazer testes de sangue e urina, eletrocardiograma e raio-X de tórax, além de suspender o uso de medicamentos que interferem na coagulação sanguínea e aumentam o risco de trombose, como o ácido acetilsalicílico e o anticoncepcional”, avisa Helio de Caprio. Mais: nos três dias que antecedem a operação tome banho com sabonete antisséptico, já que a maioria das infecções cirúrgicas vem da pele; e no dia D faça jejum, pois durante uma intubação ou sedação perde-se o reflexo da deglutição e a pessoa pode asfixiar.

 

Usar um sutiã adequado logo após a cirurgia ajuda a conter hematomas e inchaços

5. Leve para o hospital o sutiã cirúrgico. “O modelo em elastano abotoado na frente ou em faixa deve ser colocado já no pós-operatório e permanecer por duas semanas, sendo retirado apenas durante o banho. Nos 15 dias seguintes, ele deve ser usado por 12 horas diárias para conter os hematomas, inchaços e a dor e garantir melhor resultado”, diz o cirurgião plástico Eduardo Lintz, chefe do serviço de cirurgia plástica do Hospital do Coração (HCor), em São Paulo, e professor assistente do Instituto Pitanguy, no Rio de Janeiro.

6. Esqueça o implante da moda, da famosa ou da sua amiga. Converse com o cirurgião sobre o modelo ideal para você. “Para garantir a harmonia, na hora de escolher o volume, a consistência e o formato da prótese é preciso levar em consideração não só o desejo pessoal, mas também o tipo físico e até a textura da pele”, fala Eduardo Lintz.7. Veja se os contras da operação pesam menos do que os prós. “É certo que você vai ficar inchada, dolorida, com hematomas, ganhar uma cicatriz para sempre e ser obrigada a fazer repouso absoluto por três dias, levar uma semana para retirar os pontos, duas sem poder levantar os braços acima dos ombros, três sem dirigir, um mês sem carregar peso, 45 dias sem malhar, quatro meses sem tomar sol e esperar seis meses para ver o resultado final”, lista o médico Eduardo Lintz.8. Cerca de cinco anos depois da cirurgia e depois de amamentar volte ao médico para ver se é preciso reposicionar a prótese. “A flacidez que vem com o tempo e a gravidez ‘empurram’ os seios para baixo e pode ser preciso retirar o excesso de pele ou realocar o silicone”, esclarece o cirurgião plástico Alan Landecker, de São Paulo.

9. Tenha em mente que seus seios não ficarão como na adolescência. “Acredito que desse jeito você não cria falsas expectativas”, diz a personal trainer e apresentadora Solange Frazão, que decidiu turbinar as mamas depois de amamentar o terceiro filho. “Meus seios não suportaram o efeito sanfona. Conversei muito com o médico e entendi que eu não teria o mesmo visual da juventude, mas conseguiria seios mais redondos e maiores que combinariam com o corpo que tenho hoje”, completa ela.

10. Desconfie se o preço for baixo demais e você só for apresentada ao médico no dia da operação. Apesar do preço não ser parâmetro para dizer se o cirurgião é bom ou não, uma cirurgia tão complexa não pode custar pouco. E quanto ao relacionamento médico-paciente, ele deve ser feito desde a primeira consulta e continuar até o retorno do pós-operatório.

FONTE:Mulher uol

beijos, Fran
07/04 2018
12345
Topo