Mamoplastia Sem categoria
0 Comentários

Erika Januza nega vontade de colocar silicone

Erika Januza (Foto: Amauri Nehn/Brazil News)

Erika surgiu com um longo super decotado prateado. Em entrevista, ela contou que não tem vontade alguma de colocar silicone nos seios. “Nenhuma. Morro de medo da cirurgia, mas também não tenho vontade. Parece que todo mundo padronizou. Deixa eu aqui com meus seios pequenos. Qualquer coisa coloca um sutiã com bojo, um enchimentozinho.”

Fonte: Revista Quem/G1

beijos, Fran
11/12 2019
Mamoplastia
0 Comentários

Mamoplastia a cirurgia para remodelar a mama

mamoplastia sem silicone

É, toda mulher tem uma parte do corpo que a incomoda muito. A vergonha é tanta que a gente sempre pensa em algum truque para disfarçar o desconforto causado.

Com a Larissa não era diferente! Ela sabia que poderia ser mais bonita se tivesse os seios redondinhos, durinhos e empinados. Bom, já deu para notar que a região dos seus seios era, justamente, algo que a incomodava bastante.

Por anos e anos ela seguiu as dicas das “blogueirinhas” famosas. Massagens, adesivos, cremes… Mas a verdade é que NADA fazia efeito!

Foi então que, depois de assistir um vídeo no Youtube, ela tomou a decisão de colocar silicone nos seios. “Por que não?” – Ela se perguntou.

Às vezes, a gente tem que largar os velhos hábitos e se abrir para as transformações que a vida nos sugere. Foi assim que a Larissa encarou a cirurgia: uma mudança positiva e necessária. Afinal, se você não está gostando de algo, a solução é sempre procurar melhorar!

O que é Mamoplastia?

o que é Mamoplastia

Claro que antes de sair igual uma louca, aceitando qualquer local para operar, a jovem pesquisou sobre o assunto. Ainda bem, porque há cada médico por aí, alguns não têm nem habilitação para realizar cirurgias estéticas.

A cirurgia de Mamoplastia é um dos procedimentos mais realizados. Por isso, é muito importante selecionar bem o cirurgião e a clínica em São Paulo.

  • O cirurgião deve ser especializado em cirurgia plástica, ter experiência comprovada e, ainda, ter muitas indicações de pacientes.
  • A clínica deve ter uma equipe própria de anestesistas. Lembre-se: esse profissional é o responsável pela sua segurança durante o procedimento.
  • Prefira uma clínica com muitas recomendações de pacientes. Pois quem passou pelo procedimento não vai indicar um lugar que não gostou. Então, elogios significam também máxima segurança e resultados excelentes.
  • Veja se a clínica opera somente em hospitais com foco neste tipo de procedimento para evitar riscos desnecessários de infecção.

Todos esses pontos listados acima são fundamentais para a sua segurança e a qualidade do seu resultado.

Bom, em suas pesquisas, Larissa descobriu que existem muitas opções de Mamoplastia (cirurgia de mama). Mas qual procedimento se encaixa melhor no seu caso? Listamos abaixo as principais cirurgias denominadas de Mamoplastia, veja:

3 opções de cirurgia de Mamoplastia

cirurgia mamoplastia
3 Tipos de cirurgias de mamas: Mastopexia, Prótese de Silicone e Mamoplastia Redutora.

Cada mulher tem uma queixa sobre os seus seios: muito pequenos, grandes demais, caídos, flácidos… Existem vários tipos de cirurgia plástica Mamoplastia que podem deixar os seios com uma nova aparência. A escolha entre eles depende do seu objetivo.

  • Restrição básica: a cirurgia deve ser feita depois dos 18 anos, quando a mama já se encontra desenvolvida.
  • Como é feita a Mamoplastia? Depende de cada tipo, mas no geral, o procedimento dura em torno de 2 horas.
  • Anestesia para Mamoplastia: geralmente os médicos optam pela peridural com sedação.
  • Mamoplastia tempo de recuperação: os resultados aparecem após o corpo ficar completamente desinchado. O que pode demorar em torno de 6 meses.
  • Cuidado pós-operatório: em todas as cirurgias de mama a principal recomendação é usar o sutiã pós-cirúrgico Mamoplastia, respeitando o tempo indicado pelo médico.

1. Mamoplastia de aumento para os seios pequenos

Mamoplastia de aumento
Cirurgia de Prótese de Silicone para aumentar o volume das mamas

Aquelas que procuram pela Mamoplastia e silicone, geralmente, sentem-se incomodadas com a falta de volume nas mamas. Muitas mulheres sofrem tanto com essa situação, que sentem até vergonha de colocar um biquíni.

Por isso, a Mamoplastia com prótese é a cirurgia certa para dar um UP na autoestima e na confiança da mulher. Já que turbinar os seios, melhora a aparência da região e preenche o colo. Esse é o desejo de muitas mulheres!

Como é feita a Mamoplastia de aumento?

O médico faz um pequeno corte para colocar a prótese de silicone. As opções de incisão são: pelo sulco mamário, pela aréola ou pela axila. Mas em qualquer um desses lugares a cicatriz Mamoplastia fica bem escondida e discreta.

O próximo passo é escolher o local que o implante de silicone ficará de fato. Ou seja, se será alojada por cima ou por baixo do músculo peitoral, ou o meio termo, entre o músculo e o tecido.

Por último, o cirurgião fecha as incisões com uma costura delicada. Ele encerra o procedimento fazendo um curativo na mama.

O médico só vai recomendar a fita de silicone para cicatriz Mamoplastia quando a paciente apresentar algum problema de cicatrização. Mas somente é utilizada para evitar a formação de uma cicatriz hipertrófica ou queloide.

A Mamoplastia de Aumento não é indicada para reverter o problema das mamas caídas. Neste caso, também é preciso realizar uma cirurgia de Mastopexia. Quando esses dois procedimentos são realizados em conjunto, é chamado de Mastopexia com prótese.

2. Mamoplastia sem prótese para as mamas caídas

Mamoplastia sem prótese
Cirurgia Plástica ideal para levantar as mamas e retirar a pele flácida

Toda mulher vai sentir a flacidez algum dia. Pode ser depois da gravidez, de uma oscilação de peso ou quando ficarmos mais velhas.

E as mamas são bem afetadas, pois aquele aspecto saudável dá lugar aos seios caídos. Em alguns casos a situação é tão crítica que interfere na feminidade da mulher. Isto porque, muitas se preocupam com a aparência da região e fazem de tudo para esconder a flacidez.

Quando você se olha no espelho e não está feliz com o que vê, aí talvez esse seja o momento ideal para corrigir o problema. E não tem creme, sutiã ou remédio que traga a firmeza dos seios de volta. O jeito mais eficaz é recorrer à cirurgia para levantar os seios ou Mastopexia, como também é conhecida.

Como é feita a cirurgia de Mastopexia?

O cirurgião desenha as linhas de incisão na área que será operada. Em seguida, um corte é feito nessa região definida pelo médico.

Então, ele reposiciona a aréola e, a partir disso, consegue definir qual é a quantidade de pele que será retirada. Por fim, o médico fecha as incisões e faz um curativo nos seios.

A extensão das cicatrizes de Mastopexia depende da quantidade de flacidez presente na mama. Ou seja, o corte pode ser feito apenas em volta da aréola, mas em alguns casos é necessário outro no sulco mamário.

Vale ressaltar que, as mulheres que desejam corrigir a flacidez e também aumentar o volume, podem optar pela combinação dos dois procedimentos: Mamoplastia com silicone e Mastopexia.

3. Mamoplastia Redutora para diminuir o volume

Mamoplastia Redutora
Cirurgia Plástica para diminuir o grande volume dos seios

As mulheres com seios grandes demais também sofrem! O excesso de volume das mamas causa alguns desconfortos, como: dores nas costas, constrangimentos e dificuldade para encontrar um sutiã adequado.

Por isso, algumas mulheres querem saber como diminuir os seios. E, às vezes, se livrar de todo desconforto físico e até emocional parece ser um sonho impossível. Mas a cirurgia de Mamoplastia Redutora é a solução ideal para esse problema.

Geralmente, as pacientes que fazem essa intervenção cirúrgica optam pela Mamoplastia sem silicone. Ou seja, elas só querem diminuir o volume dos seios.

Mas, em poucos casos, as mulheres aproveitam para fazer a Mamoplastia redutora com prótese. Com isso elas conseguem seios mais durinhos e redondos.

Como é feita a cirurgia de redução da mama?

Juntamente com o médico, a paciente define o tamanho e o formato desejado. Então, no dia da cirurgia, o cirurgião fará as marcações nos locais de retirada de pele e gordura.

As incisões são feitas para dar lugar ao novo formato, deixando os seios mais leves e firmes. Em alguns casos, o médico opta pelo uso de dreno para acelerar a recuperação e evitar o acúmulo de líquido.

Fonte: Dream Plastic

beijos, Fran
10/12 2019
Plásticas
0 Comentários

O que é Dismorfia Corporal?

dismorfofobia

A Dismorfia Corporal é um transtorno psicológico caracterizado pela visão distorcida que uma pessoa tem do seu próprio corpo.

Em entrevista ao programa Morning Show, da Jovem Pan, a Daiane Garbin explica a dismorfia como uma “feiura imaginária”. “A pessoa encana com alguma parte do corpo ou do rosto e, realmente, se acha muito feia. Tem pessoas que relatam que se acham uns monstros quando se olham no espelho”, acrescenta.

O problema costuma estar associado à baixa autoestima e serve como um facilitador de outras doenças, como depressão, bulimia e anorexia.

Estar um pouco acima do peso, ter os braços mais grossos, manchas na pele… Esses são apenas alguns exemplos de fatores que podem causar o Distúrbio de Imagem Corporal. Ao ter a doença, a pessoa acredita que todo mundo percebe e fica olhando para “aquele defeito”.

Em casos mais graves, quem sofre com o transtorno se isola totalmente. Isso porque, no geral, tendem a evitar encontros sociais.

Como identificar dismorfia corporal?

transtorno dismórfico corporal

Não há um perfil específico de pessoa ou exames laboratoriais ou de imagem, que possam identificar esse transtorno de imagem. Além disso, quem sofre com a dismorfia não tem nenhum problema sério de aparência, como deformações ao longo do corpo.

Mas e aí, como diferenciar uma pessoa muito vaidosa de quem tem a doença?

Um bom indicador é quando alguém, mesmo após fazer algumas cirurgias plásticas, continua insatisfeito com seu corpo. Além de, normalmente, ter expectativas irreais quanto ao resultado da próxima intervenção.

Como tratar o Transtorno Dismórfico Corporal?

disturbio imagem corporal

A pressão social pelo corpo perfeito é um dos principais causadores do transtorno dismórfico corporal. E, essa é uma doença crônica, ou seja, pode durar por anos e até pela vida inteira da paciente.

Mas há tratamento! É importante que ele seja feito por uma equipe multidisciplinar, composta por um psiquiatra e um psicoterapeuta.

Cada caso exige análise, mas no geral, a paciente é tratada com sessões de terapia e medicação antidepressiva.

O ideal é passar com um terapeuta experiente no atendimento de quem tem Distúrbio de Imagem Corporal, também conhecido pela sigla TCD. Profissionais acostumados a tratar pacientes com outros transtornos, como alimentares e TOC também são boas sugestões.

No caso das medicações, você deve usar apenas com prescrição médica, pois algumas podem causar efeitos colaterais.

O enfraquecimento da Dismorfia

transtorno dismorfico corporal

O fato de a nossa aparência ter grande importância social e emocional não ajuda. Mas os padrões de beleza são mutáveis, o que não muda é a influência deles na autoestima feminina.

Há 10 anos qualquer sobrepeso era motivo para cirurgias bariátricas ou redução do estômago. E, não estamos falando de Obesidade, que é uma doença capaz de aumentar o risco para várias enfermidades.

A ditadura da magreza era feroz, mas aos poucos essa página é virada.  Estamos numa fase de transição de conscientização.

Conforme já mencionamos, não há problema nenhum em preocupar-se com sua aparência. Pelo contrário, isso faz bem para você, eleva sua autoestima, confiança…

Precisamos ficar atentos aos excessos, principalmente quando a busca por mudar um aspecto físico vira uma obsessão, surgindo o Distúrbio de Imagem Corporal.

Fonte: Dream Plastic

beijos, Fran
03/12 2019
Topo