Plásticas
1 Comentário

Anestesia geral – Riscos

A anestesia geral é uma técnica anestésica que promove abolição da dor (daí o nome anestesia), paralisia muscular, abolição dos reflexos, amnésia e, principalmente, inconsciência.
A anestesia geral faz com que o paciente torne-se incapaz de sentir e/ou reagir a qualquer estímulo do ambiente, sendo a técnica mais indicada de anestesia nas cirurgias complexas e de grande porte.

COMO É FEITA A ANESTESIA GERAL?

A anestesia geral possui quatro fases: pré-medicação, indução, manutenção e recuperação.
A fase de pré-medicação é feita para que o paciente chegue ao ato cirúrgico calmo e relaxado.Normalmente é administrado um ansiolítico (calmante) de curta duração, como o midazolam, deixando o paciente já com um grau leve de sedação. Deste modo, ele entra na sala de operação sobmenos estresse.

A fase de indução é normalmente feita com drogas por via intravenosa, sendo o Propofol a mais usada atualmente. Após a indução, o paciente rapidamente entra em sedação mais profunda, ou seja, perde a consciência, ficando em um estado popularmente chamado de coma induzido (leia:COMA INDUZIDO). O paciente apesar de estar inconsciente, ainda pode sentir dor, sendo necessário aprofundar ainda mais a anestesia para a cirurgia poder ser realizada. Para tal, o anestesista também costuma administrar um analgésico opióide (da família da morfina) como o Fentanil.
Neste momento o paciente já apresenta um grau importante de sedação, não sendo mais capaz de proteger suas vias aéreas das secreções da cavidade oral, como a saliva. Além disso, na maioria das cirurgias com anestesia geral é importante haver relaxamento dos músculos, fazendo com que a musculatura respiratória fique inibida. O paciente, então, precisa ser intubado* e acoplado a ventilação mecânica para poder receber uma oxigenação adequada e não aspirar suas secreções.

* Em algumas cirurgias mais rápidas, ou que não abordem o tórax ou o abdômen, pode não ser necessária intubação, ficando o paciente apenas com uma máscara de oxigênio.

No início da fase de manutenção as drogas usadas na indução, que têm curta duração, começam a perder efeito, fazendo com que o paciente precise de mais anestésicos para continuar o procedimento. Nesta fase, a anestesia pode ser feita com anestésicos por via inalatória ou por via intravenosa. Na maioria dos casos a via inalatória é preferida. Os anestésicos são administrados através do tubo orotraqueal na forma de gás (vapores) junto com o oxigênio, sendo absorvidos pelos alvéolos do pulmão, passando rapidamente para a corrente sanguínea. Alguns exemplos de anestésicos inalatórios são o óxido nitroso e os anestésico halogenados (halotano, sevoflurano e desflurano), drogas administradas continuamente durante todo o procedimento cirúrgico.
A profundidade da anestesia depende da cirurgia. O nível de anestesia para se cortar a pele édiferente do nível para se abordar os intestinos, por exemplo. Conforme o procedimento cirúrgico avança, o anestesista procura deixar o paciente sempre com o mínimo possível de anestésicos. Uma anestesia muito profunda pode provocar hipotensões e desaceleração dos batimentos cardíacos, podendo diminuir demasiadamente a perfusão de sangue para os tecidos corporais.

Quando a cirurgia entra na sua fase final, o anestesista começa a reduzir a administração dasdrogas, já planejando uma cessação da anestesia junto com o término do procedimento cirúrgico. Se há relaxamento muscular excessivo, drogas que funcionam como antídotos são administradas. Nesta fase de recuperação, novamente analgésicos opioides são administrados para que o paciente não acorde da anestesia com dores no local onde foi cortado.

Conforme os anestésicos inalatórios vão sendo eliminados da circulação sanguínea, o paciente começa a recuperar a consciência, passando a ser capaz de voltar a respirar por conta própria. Quando o paciente já se encontra com total controle dos reflexos das vias respiratórias, o tubo orotraqueal pode ser retirado. Neste momento, apesar do paciente já ter um razoável grau de consciência, ele dificilmente se recordará do que aconteceu nesta fase de recuperação devido aos efeitos amnésicos das drogas.

Fonte: mdsaúde/http://www.mdsaude.com/2010/10/anestesia-geral.html

beijos, Fran
18/01 2019
Plásticas
0 Comentários

Pós-operatório da abdominoplastia

Dormir 

Após uma cirurgia ao abdômen é fundamental dormir de barriga para cima, recostado e com as pernas dobradas, evitando dormir de lado ou de barriga para baixo, para não pressionar o abdômen nem machucar a cicatriz.

Caso se tenha em casa uma cama articulada deve-se elevar a parte do tronco e das pernas, porém, numa cama normal pode-se colocar almofadas semi-rijas nas costas, ajudando a elevar o tronco, e por baixo dos joelhos, para levantar as pernas. Deve-se manter esta posição pelo menos 15 dias dias ou até se deixar de sentir desconforto.

Andar

Ao andar, deve-se dobrar o tronco, curvando as costas e apoiando as mãos na barriga como se a estivesse segurando, já que esta posição dá maior conforto e alivia a dor, devendo ser mantida durante os primeiros 15 dias ou até se deixar de sentir dor.

Além disso, ao sentar, deve-se optar por uma cadeira, evitando os bancos, encostando-se totalmente e apoiando os pés no chão.

Banho

Depois da cirurgia plástica é colocada uma cinta modeladora que nunca deve ser tirada durante 8 dias, por isso, durante esse período não se pode tomar banho no chuveiro.

No entanto, para manter a higiene mínima, pode-se lavar o corpo parcialmente com uma esponja, pedindo a ajuda de um familiar para não se fazer esforço.

Cinta

A cinta não pode ser tirada durante cerca de 8 dias, nem mesmo para tomar banho ou dormir, pois é colocada para comprimir o abdômen, dar conforto, facilitar os movimentos, evitando complicações como o seroma, que é o acumulo de liquido junto à cicatriz.

Após uma semana, já se pode tirar a cinta para tomar banho ou fazer o tratamento da cicatriz, voltando a colocá-la e usando-a durante o dia, por pelo menos 45 dias após a abdominoplastia.

As meias de compressão só devem ser retiradas quando se volta a movimentar e caminhar normalmente, o que geralmente acontece quando se retoma às atividades do dia-a-dia.

Dor

Após a abdominoplastia é normal sentir dor na barriga devido à cirurgia e dor nas costas, pois passa-se alguns dias sempre deitado na mesma posição.

Para aliviar a dor do abdômen é fundamental tomar os remédios prescritos pelo médico, cumprindo as quantidades e horas indicadas. No momento de evacuar a dor pode aumentar e, por isso, para facilitar as idas ao banheiro, pode-se tomar suplementos à base de fibras.

Além disso, para tratar a dor no fundo das costas, pode-se pedir a um familiar para fazer uma massagem com um creme relaxante ou colocar panos de água quente para diminuir a tensão.

Curativo

O curativo deve ser trocado segundo indicação do médico, que normalmente é ao final de 4 dias, mas os pontos só são removidos depois de 8 dias pelo médico que fez a cirurgia.

No entanto, caso o curativo esteja manchado de sangue ou de liquido amarelo deve-se ir no médico antes do dia indicado.

Fonte: Tua Saúde

beijos, Fran
31/12 2018
Mamoplastia
0 Comentários

Mastopexia encarece a cirurgia

A flacidez provocada pelo emagrecimento pode deixar de herança seios flácidos e caídos. Infelizmente, eles são a região do corpo que mais sofre com a oscilação de peso. Ou pela amamentação. Engana-se, porém, quem pensa que a única forma de encarar o problema é usar sutiãs modeladores para o resto da vida – inclusive para dormir. Existem cirurgias plásticas seguras que removem não só as sobras de pele, como remodelam a forma e reposicionam a aréola, formando seios novinhos!

A Mastopexia é recomendada para mulheres que passaram por essas fases. Mas o que muitas mulheres não sabem,é que a mastopexia encarece a cirurgia,ou seja, se você pretende apenas colocar a prótese de silicone,vc vai pagar um valor,se vai colocar a prótese de silicone e também fazer a mastopexia ,vc vai pagar uma média de 2 a 3 mil Reais a mais,esse valor pode variar dependendo da região ou do médico. Entenderam? Por exemplo: Se a colocação do silicone estiver 7.000 mil Reais, com mastopexia ficaria 9 ou 10 mil Reais.
beijos, Fran
19/11 2018
Topo