Plásticas
0 Comentários

Fiz abdominoplastia e engordei

Uma cirurgia plástica é algo planejado e quando acontece, simplesmente queremos que o resultado da barriga chapada dure para sempre. Mas, de repente, fiz abdominoplastia e engordei o que devo fazer?

O ganho de peso devido à gravidez ou decorrente de outros motivos acontece.

E, quem faz abdominoplastia pode voltar a ter barriga, sim! Então, é preciso se cuidar!

Barriga com abdominoplastia é o nosso maior sonho. E, quando realizamos a sensação é maravilhosa! Passada toda a fase de pós-operatório, nos sentimos bem diante do espelho, com nossas roupas e principalmente com aquele biquíni que antes era o nosso maior inimigo.

Mas não existe milagre e quem faz abdominoplastia pode voltar a ter barriga. Por isso, é fundamental que após a cirurgia a paciente tome algumas medidas para evitar depoimentos do tipo: fiz abdominoplastia e engordei.

A cirurgia deve funcionar como um incentivo para uma mudança de hábitos e ajudá-la  a manter a boa forma. Mas, você precisa fazer sua parte para manter um antes e depois da abdominoplastia satisfatório.

E, neste quesito, é fundamental ter os devidos cuidados com a alimentação e uma rotina de exercícios físicos. Assim, você não corre o risco de perder o resultado da sua cirurgia, como nos casos de:

Engordar e emagrecer: o famoso efeito sanfona acaba gerando nova flacidez de pele na barriga com abdominoplastia.

Gravidez: prejudica apenas o resultado da cirurgia, inclusive da plicatura, que é a amarração dos músculos abdominais. Mas vale lembrar que não oferece nenhum risco para mãe ou o bebê.

 

Quem já fez abdominoplastia pode fazer de novo?

 

A operação não seria feita como um retoque de abdominoplastia, mas sim como uma nova cirurgia. Ou seja, é necessário que a paciente passe novamente por uma consulta com um cirurgião.

O médico faz a avaliação e prescreve a abdominoplastia, desde que o procedimento seja realmente o mais indicado.

 

Precisa emagrecer para fazer abdominoplastia?

 

Com certeza a pergunta precisa emagrecer para fazer abdominoplastia, é umas das mais populares nas clínicas de cirurgia plástica. E a resposta pode não ser 100% satisfatória porque depende.

Por este motivo é tão importante ter um cirurgião plástico especialista e muito experiente. Pois somente ele tem a competência de analisar se você precisa ou não emagrecer para fazer o procedimento. Isso sem prejudicar o resultado ou ter que fazer algum tipo de retoque de abdominoplastia mais tarde.

No caso de pacientes com sobrepeso acentuado ou obesidade, é aconselhável o emagrecimento antes da cirurgia para que o resultado final fique melhor.

Vale lembrar que se você pretende emagrecer, faça isso antes da cirurgia. Isto porque perder peso depois pode gerar uma nova flacidez e reduzir o resultado alcançado com a cirurgia.

 

Quem faz abdominoplastia pode voltar a ter barriga?

 

Sim, quem faz abdominoplastia pode voltar a ter barriga. Porém, é comum também acontecer o contrário. Muitas pacientes apostam em um emagrecimento progressivo antes da cirurgia, ou seja, aquele que ocorre aos poucos e não de uma vez com dietas malucas que prejudicam a saúde.

Para emagrecer de maneira saudável antes da abdominoplastia, é preciso ter como base três pilares:

  • Acompanhamento médico
  • Reeducação alimentar
  • Atividades físicas

Adquirindo esses hábitos, você acostuma seu corpo a uma nova vida e, quando for realizar a cirurgia, além de mais magra, você vai estar mais motivada para manter o resultado conquistado.

Ter uma barriga com abdominoplastia e estar feliz com o resultado exige empenho antes e depois da cirurgia. Somente assim, você poderá melhorar e prolongar sua satisfação com o resultado.

Fonte: Dream Plastic

beijos, Fran
31/07 2018
Plásticas
0 Comentários

Labioplastia: conheça a cirurgia íntima que vem se popularizando

PATHDOC/SHUTTERSTOCK

Com objetivo reduzir ou remodelar os lábios vaginais, a labioplastia é uma cirurgia íntima que vem se popularizando no Brasil. De acordo com o cirurgião plástico André Colaneri, a maioria das mulheres opera não por uma questão funcional, mas sim porque se sente desconfortável e constrangida com a aparência da vagina.

A principal motivação de quem busca pela labioplastia é tratar uma insegurança com o próprio corpo, que pode interferir nos relacionamentos íntimos e até, indiretamente, na saúde.

“A insatisfação com os lábios provoca medo de ter relação sexual, de se tocar, de os lábios ficarem aparentes no biquíni, vergonha de ir ao ginecologista e um trauma emocional grande. Tive uma paciente que estava com 41 anos e nunca tinha ido ginecologista por vergonha. Imagine como pode afetar a vida sexual”, comenta Colaneri.

Apesar de o procedimento ser, na maior parte dos casos, estético, algumas mulheres optam por operar porque o tamanho aumentado dos lábios causa dor ao toque ou ao usar roupas justas, além de candidíase de repetição ou machucados após relações sexuais.

“Quando os lábios são grandes, eles ficam friccionando o tempo todo entre eles, na roupa, e isso causa microtraumas que facilitam a proliferação de fungos e o aparecimento da candidíase”, explica o especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Como é a cirurgia?

Segundo Colaneri, o procedimento é simples, demora em torno de 50 minutos e a paciente recebe alta no mesmo dia. A anestesia é apenas local e a retirada do excesso de pele é feita a laser.

Quem pode fazer?

Segundo o cirurgião plástico, é necessário aguardar a puberdade, que é quando a menina já tem corpo de mulher, para a realização da cirurgia. Se a paciente for menor de idade, ela precisa da permissão de um responsável legal. Por isso, a maioria das mulheres faz a plástica entre os 20 e 30 anos.

Fonte: Vix

beijos, Fran
30/07 2018
Plásticas
0 Comentários

Anestesia na cirurgia plástica: qual a mais indicada?

A consulta com o anestesista irá esclarecer todas as dúvidas e eliminar o receio que muita gente ainda tem das complicações que uma anestesia pode ocasionar. É importante consultar se o mesmo é um profissional especializado e membro da Sociedade Brasileira de Anestesiologia. Depois da consulta, ele deverá levantar todo o quadro clínico do paciente para ter garantias de que pode dar sequência ao procedimento junto ao cirurgião plástico e demais especialistas. Além disso, saberá indicar qual o tipo de anestesia será utilizada.

Peridural

“Realizada entre as vértebras da coluna, pode ser utilizada para cirurgias de tórax, abdômen, braços e pernas. O medicamento é o mesmo da anestesia geral, geralmente associada à sedação, para que a paciente se sinta mais confortável. É justamente a anestesia peridural que será utilizada em cirurgias plásticas como a mamoplastia, lipoaspiração e abdominoplastia. Por ser vasodilatadoras, contribui na prevenção de tromboses”, explica.

Geral

“Tecnicamente trata-se de um coma induzido por medicamentos. A anestesia geral é realizada por via endovenosa (pela veia) e respiratória, promove anestesia do corpo todo e a necessidade de intubação e assistência ventilatória (mecânica). Geralmente esse procedimento é indicado em cirurgias maiores ou onde os bloqueios anestésicos não agem. Possui maior tempo de recuperação e não se faz necessária, na maioria das vezes, em cirurgias plásticas”.

Local

“Como o próprio nome sugere, esse tipo de anestesia age apenas no local onde é realizada a cirurgia. Aplicada na pele, ela é indicada para procedimentos pequenos e em regiões estritas, por exemplo, cirurgias plásticas no rosto. O tempo de recuperação é menor”.

Raquidiana

“Realizada dentro do canal medular (na coluna), ela anestesia toda a região abaixo do ponto onde foi injetada a medicação. Indicada para cirurgias localizadas, que ocorrem apenas nas regiões anestesiadas. Com duração média de até 4 horas, ela permite maior ação do cirurgião em toda a área anestesiada e o paciente não necessita de ajuda de entubação para respirar”.

Fonte: VIX

beijos, Fran
29/07 2018
12345
Topo