Plásticas
0 Comentários

Homens e a colocação de próteses de silicone

Implantes no tórax são os mais procurados pelo público masculino, que pode optar pelos tamanhos P, M ou G

Depois de depilação, mudar a cor dos cabelos ou disfarçar os fios brancos e fazer as unhas, mais um procedimento originalmente procurado apenas por mulheres conquista os homens: a colocação de próteses de silicone.

O resultado: tórax, bíceps, tríceps, panturrilhas, coxas e até glúteos com cara de musculosos, porém, conquistados no bisturi. “O resultado é totalmente natural e imperceptível ao toque”, afirma o cirurgião plástico Ivan Abadesso.

Os mais procurados

A mais popular é a de tórax. Para turbinar o peito, é feita uma pequena incisão na região da axila, onde o cirurgião cria um espaço para inserir o silicone abaixo do músculo peitoral. Existem três tamanhos de prótese: P (190ml), M (230ml) e G (300ml). A diferença é que a prótese feminina é mas arredondada e grossa. Para o homem, é retangular e fina.

Abadesso confirma o crescimento constante da procura pelo público masculino, mas diz que, além do peitoral, a aplicação nos glúteos também é muito procurada. Nos braços é menor, e o profissional precisa ser de absoluta confiança, pois é mais arriscado. “O maior risco da cirurgia de implante de bíceps e tríceps é a Síndrome Compartimental, ou seja, a compressão das estruturas nobres dessa área (nervo, veias e artérias)”.

Os implantes são colocados abaixo dos músculos, mas ele diz que é seguro, se o médico for preparado. “A incisão é realizada na face interna dos braços. Esse procedimento, quando realizado por um cirurgião devidamente treinado e habilitado, com conhecimento da anatomia da área, são extremamente seguros”. Ele diz, também, que é possível fazer mais de uma intervenção na mesma operação. “A combinação de cirurgias é extremamente comum, como a colocação de implantes associados à lipoaspiração”.

E quanto tempo dura?

Diferente do que o corre em mulheres, a substituição da prótese depois de alguns anos é quase sempre desnecessária. “Como os implantes são colocados na área submuscular, a chance é praticamente zero, mas como todo implante sofre um desgaste natural, não há como prever se haverá a necessidade ou não da troca. O que podemos ter certeza é que é bastante raro”.

Qualquer pessoa pode passar pela operação, desde que não haja nenhuma restrição clínica. Por isso, o médico solicita todos os exames de praxe antes de uma operação. De acordo com o médico, a recuperação não é difícil. A não ser para os glúteos, que exige que o paciente fique sem se sentar um tempo e há dificuldade de locomoção no princípio.

Para quem odeia fazer academia, essa pode ser a solução. Mas vai depender do biótipo da pessoa. “De qualquer forma, eu recomendo que a pessoa pratique, sim, atividades físicas, até por uma questão de saúde”, finaliza o médico.

Palavra de quem já fez

Robson Maestrelli, 24 anos, optou pela prótese de tórax. O produtor executivo de TV e cinema e fotógrafo fez a cirurgia em março de 2007 e ficou feliz com o resultado. “O tamanho da minha foi ‘M’. O resultado foi satisfatório, tendo em vista que já frequento a academia há um bom tempo e o músculo do peitoral, por um fator genético, chegou em um limite que não cresceria mais”, revela ele. “O resultado me agradou porque foi discreto, sem aquele aspecto ‘bombado’”.

“Não quis optar pelo uso de anabolizantes. A cirurgia traz um bom resultado sem comprometer a saúde”, diz o jovem, que defende a atividade física. “O uso de uma prótese não dispensa o exercício físico. Logo após a recuperação, voltei a praticar. Afinal, a saúde vem sempre em primeiro lugar”.

Fonte:estilo.ig.com.brl
beijos, Fran
20/05 2013
Escreva seu comentário
* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que sua foto apareça nos comentários? Clique aqui!

Topo